Tempos perigosos...

O Brasil vive uma guerra civil.

Uma guerra civil sui generis, pois não se trata da luta de uma ideologia revolucionária pela conquista do poder politico, mas sim da inacreditável associação de bandidos, empresários, traficantes e políticos na busca da construção um Estado desmoralizado, que não perturbe seus negócios escusos.

Alguma duvida? Vamos começar a discutir um índice que determine quando uma guerra civil passa a existir? O numero de mortes violentas é suficiente? Segundo os dados do Fórum Brasileiro de Segurança Publica, em 2015, 58.383 pessoas perderam a vida no Brasil em “crimes violentos letais intencionais”. O montante movimentado pelo impensável sistema nacional de corrupção, mais de 15 bilhões de reais nos últimos anos, é um numero razoável para fundamentar a assertiva ou o dado ainda é assimilável pela generosidade popular? O trafico de drogas, com suas ramificações e subornos, trazendo o crime para as ruas e amedrontando as pessoas, ainda é suportável? Decência e dignidade são valores integrais a serem cultivados pela cidadania ou podem ser relativizados de acordo com as conveniências de cada um?

Repilo as explicações simplistas e demagógicas de que a crise global é oportunidade de progresso. Besteira. O nível de erosão da sociedade liquida os sonhos de um povo sofrido. A degradação das instituições e dos valores morais impossibilita pensar em recuperação nacional com esta majoritária “turma” que aí está no Congresso Nacional e no Executivo. Sem a confiança da população, nas instituições, nos dirigentes e parlamentares, nada de bom e de duradouro poderá ser feito.

Repilo a desculpa para a inação com o argumento de que, antes, é preciso pesquisar, estudar e debater as causas da atual crise global. Bobagem. Tudo o que é importante já está suficientemente estudado, debatido e diagnosticado. Há um quadro social de emergência. É preciso que pessoas patriotas, corajosas, honestas e competentes, assumam as responsabilidades impostas pela cidadania e elaborem apenas algumas poucas leis e exercitem, com a urgência necessária, medidas evidentemente prioritárias tais como na área da educação, da saúde e da segurança.

Repilo, igualmente, a progressiva estupida submissão das mentes da população aos ditames do “politicamente correto”, que amedronta as pessoas fazendo-as repetir aquilo que os minoritários grupos interessados, organizados e diligentes, querem, como por exemplo: “tudo precisa ser debatido pelo povo”, tentativa de substituir a já desmoralizada democracia representativa pela empulhação da democracia interna do partido único proposta pelo comunismo; propagar uma ultrapassada e distante “revolução parisiense de 1968”, com o “tudo é permitido – é proibido proibir”, com a intenção de escamotear de vez os valores éticos que propiciaram a construção e a manutenção da Civilização Ocidental; a rejeição da proposta sem um prévio honesto debate democrático, como se tratasse de uma solerte ação fascista, sobre o direito dos analfabetos e ignorantes votarem, pois o atual mundo complexo exige, para a honesta participação política, discernimento e capacidade critica, condição para serem escolhidas as melhores opções para a sociedade e os melhores nomes para garantirem o funcionamento da Republica; revisão, imediata, do errado conceito de que bandidos precisam ser tratados com “severidade contida”: - bandidos que reagem às ações policiais, agredindo, deverão ser neutralizados pela força, sem tornar os homens da lei réus por presumível crime, inibindo a reação à desmoralização da necessária ordem publica.

 A cidadania digna e patriótica, a maioria silenciosa, se nada de razoável acontecer para a solução da crise global, saberá fazer sentir sua força e indignação. Que os atuais desmoralizados governantes e parlamentares, reunindo o pouco de dignidade que lhes resta, tratem de providenciar eleições gerais já, com novos honestos personagens e renovados poucos partidos ideologicamente definidos. Isto não é ingenuidade - é imposição da responsabilidade histórica. O brasil está destroçado, o tempo que resta é pouco.

 

Eurico Borba, 76, aposentado, ex- professor da PUC RIO, ex - Presidente do IBGE, reside em Ana Rech, Caxias do Sul.

Publicidade
TWITTER
@colunach

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados